18/08/2017 - Música invade todo o hospital na comemoração de quatro anos do projeto Sarau do HGG



Mais de 10 músicos cantaram em todas as alas e leitos do hospital levando música e sentimento a pacientes, acompanhantes e equipe de colaboradores

A música ecoava por todos os andares, contudo, a cada andar, cada ala, outros tons, melodias e vozes traziam graça e energia ao Hospital Alberto Rassi – HGG naquele fim de tarde alaranjado de agosto. Ao fundo, nos halls, constante e suave, o som do piano deixava tudo sereno. Já nas alas, uma movimentação na frente aos quartos anunciava: ali tinha mais música e a alegria estava ali. Era o Sarau Especial de Aniversário de 4 anos que reuniu nesta quinta-feira, 17 de agosto, 12 músicos que cantaram em todas as alas da unidade, levando canções e emoções nos leitos de todos os pacientes.

Sentada na cama, em palmas que acompanhavam o ritmo da música, Iracema Alves Ferreira, 58 anos, fazia coro às canções de MPB do cantor Marcelo Pardhal, juntamente com as colegas de enfermaria. “Nossa eu adorei, até me animei, pois a música traz um pouco de alegria para a gente que está nessa tristeza. O cantor é ótimo, pedi uma música e cantei todas que eu sabia. Foi uma maravilha!”, considerou contente a dona de casa assim que o músico deixou seu quarto, mas não a sua música, que continuava sendo ouvida e cantada.

Em outra ala, do 3° andar, de braços para cima, enfermeiras nas portas e pacientes nas camas embalavam animados as clássicas canções sertanejas cantadas pela dupla Rezende e Renato. Não tinha uma música que alguém não sabia! Assim também foram as canções românticas tocadas por Willian José. Era animação que contagiava e deixava ansiosos os pacientes que ainda receberiam os artistas em seus leitos.

Recuperando-se de um atropelamento, Miguel Aires França, de 73 anos, gostou tanto que queria mais música. “Achei as músicas lindíssimas e o cantor canta muito bem. Dei uma animada, queria até que ele cantasse mais. Amei esse projeto de música no hospital, aliás, tudo aqui está uma maravilha, quero até ficar mais uns dias”, brincou o aposentado.

Sabah Moraes, juntamente com o músico Ney Couteiro, levou chorinhos e outros grandes sucessos da MPB aos pacientes. Na ala de Cuidados Paliativos, Cláudia Garcia e o violonista Adriano Assis comoveram internados e seus acompanhantes, emocionando-se também com a fragilidade de quem ali não escolhia estar. O cantor Xexéu também levou MPB, pop e samba aos pacientes do setor de Diálise e para a enfermaria onde estão os presos do Complexo Penitenciário.

Na UTI, o silêncio também foi quebrado pelos acordes instrumentais da harpa de Aline Araújo e do saxofone de Marcos Morgado. Com sorrisos nos rostos e, alguns, com algumas modestas lágrimas nos olhos, enfermeiros apreciavam admirados o som afinado dos instrumentos. No isolamento, um paciente recém-transplantado recebeu o saxofonista que tocou só para ele a pedido de um enfermeira. “Ele estava tristinho esses dias e ficou muito emocionado com a música e agradeceu a visita do músico”, contou Cinthia Moraes de Oliveira.

Na recepção, tocando o elegante piano de cauda para os olhares atentos do público que preferiu acomodar-se e apreciar o recital, o pianista cego João Montenegro apresentou um repertório com clássicos nacionais e internacionais. Pela primeira vez no HGG, o músico falou da satisfação de tocar naquele ambiente. “Estou acostumado a tocar em hospital e os pacientes gostam, acham muito bom. A música faz bem para a alma. Gostei muito da apresentação”, considerou João.

Já o cantor Willian José destacou o ineditismo das apresentações dessa edição, que para ele tiveram sentimentos únicos. “Nossa, hoje foi espetacular. Todas as vezes que eu venho aqui é uma alegria maravilhosa, mas hoje foi diferenciado. Cada quarto foi uma emoção diferente e eu senti muitas aqui dentro hoje. Foi um dia abençoado por Deus. Muito feliz em ter participado”, concluiu agradecendo.




Quer receber notícias e novidades do Idtech diretamente no seu e-mail?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

© IDTECH - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS