05/02/2018 - Palestra aborda respeito às diversidades na convivência com o outro



Psicólogo falou ao público sobre como lidar com o outro em suas diferenças em diferentes situações e contextos e interagiu com a plateia ouvindo relatos

Na última quarta-feira, 31 de janeiro, a palestra que acontece semanalmente no Ambulatório de Medicina Avançada (AMA) abordou um tema extremamente atual da sociedade, que afeta a saúde psíquica, o bem-estar do indivíduo e, consecutivamente, a saúde física. O psicólogo do HGG, Marcos Antônio Ribeiro Moraes, ministrou palestra com o tema ‘Como lidar com o outro em suas diferenças’, que abordou respeito às diversidades na convivência com o outro, em diferentes situações e contextos.

No início da apresentação, o profissional exibiu imagens contendo cenas de agressão no futebol e contra a mulher, preconceito religioso, de gênero e de raça, intolerância política, bullying e xingamentos ofensivos, propondo aos participantes a reflexão sobre o que estas os fariam pensar. Marcos indagou o público sobre o porquê de ‘nós reagirmos assim diante de pessoas diferentes de nós e das diferenças?’, lembrando que, no caso da discriminação de raça, o brasileiro nasceu da mistura de raças e nacionalidades, então porque o preconceito?

O psicólogo explicou que, na maior parte das situações, o preconceito se dá pelo não conhecimento de determinada pessoa ou circunstância e o pré-julgamento apenas pela aparência ou impressão superficial. Ele citou ainda a frase do psicólogo e professor de Psicologia, José Leon Crochik, que diz: “O preconceito diz respeito a um mecanismo desenvolvido pelo indivíduo para poder se defender de ameaças imaginárias e assim é um falseamento da realidade, a qual o indivíduo foi impedido de enxergar”.

“É um assunto de extrema importância pelo que nós percebemos em diferentes ambientes, tanto nos ambientes virtuais, quando nas relações cotidianas, que é a dificuldade que as pessoas têm de lidar com a aquilo que elas não concordam, não aceitam no outro e não respeitam, o chamado discurso de ódio, em que as pessoas estão prontas para atacar e agredir, gerando dificuldade de interação em grupos sociais ou mesmo em contextos familiares”, comentou Marcos, sobre o tema da palestra, acrescentando que, a discriminação ocorre muitas vezes no contexto hospital. “Ouvimos muitas vezes dos pacientes que esses discursos de ódio acontecem, por exemplo, acontecem aqui na sala de espera do hospital, entre pacientes que começam a se estranhar, verbalmente ou até com um olhar de discriminação ou, de não aceitação”, relatou.

Marcos finalizou o conteúdo com uma fala de Nelson Mandela “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem aprender a amar”. Aguardando uma consulta, Eliete Davi de Moraes, de 50 anos, foi uma das ouvintes mais participantes da atividade e deu o seu relato. “Achei muito interessante a palestra, gostei e participei, por que eu vejo muitas situações assim, principalmente de racismo, de pessoas que xingam nos ônibus e eu acho muito ruim, pois meu esposo é negro e eu acho uma discriminação muito grande”.



Quer receber notícias e novidades do Idtech diretamente no seu e-mail?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

© IDTECH - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS