19/03/2018 - Farmacêutica do HGG orienta sobre o cuidado com os rins e os riscos da automedicação



Letícia Vaz ministrou palestra no Ambulatório de Medicina Avançada (AMA) nesta quarta-feira, 14 de março


O hábito de tomar remédios sem prescrição médica é muito comum entre a população. A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas, pode trazer consequências graves, alerta a farmacêutica do HGG, Letícia Vaz. Nesta quinta-feira, 14 de março, a profissional esteve no Ambulatório de Medicina Avançada (AMA) da unidade e orientou os pacientes que aguardavam por consulta durante a palestra "Cuide de seus rins. Previna-se, evite ingestão de medicamentos sem prescrição".

Entre os prejuízos, causado pela automedicação, no caso de um medicamento para dor, este pode mascarar um problema de saúde maior, como é o caso de lesões renais e a insuficiência renal crônica. Esta última, caracteriza-se por uma lenta diminuição das funções renais ao longo do tempo devido a doenças como diabetes e hipertensão, ou a outros fatores como o uso de medicamentos que lesionem os rins.

Além disso, a doença só apresenta sintomas em seu estágio avançado, fase em que os rins já estão completamente comprometidos, causando a necessidade do tratamento de hemodiálise ou transplante renal, e ainda a dependência de imunossupressores, medicamento que evita a rejeição do órgão transplantado.

De acordo com a farmacêutica, mesmo os medicamentos considerados inofensivos como anti-inflamatórios, antibióticos e relaxantes musculares podem representar riscos à saúde. Por isso, a importância de se procurar ajuda de um profissional habilitado para a orientação da dosagem correta e a forma de ingestão a medicação, principalmente em casos que o paciente já convive com outro tipo de problema de saúde.

A aposentada Francisca Queiroz, de 60 anos, diz que o tema foi de grande importância para esclarecer as dúvidas, principalmente sobre o uso de relaxante muscular, que pode causar problemas a outros órgãos. "Ouvimos falar sobre o relaxante muscular e paramos de tomar, pois faz mal pros rins."

Neide Ferreira da Silva, de 75 anos, que estava acompanhando e aguardava a consulta da mãe, aproveitou para saber mais sobre o tema. "Estava com muitas dúvidas. Minha mãe toma frequentemente alguns remédios e eu não sabia que poderiam fazer tanto mal”, conta.

Cabe ressaltar que é comum que as pessoas consultem a internet ou até peçam opinião a um parente próximo sobre algum desconforto. “O remédio que faz bem para o seu parente, nem sempre vai fazer bem pra você. Por isso é necessário se prevenir evitando o uso de remédios sem prescrição médica. Lembrando, que todo medicamento tem uma finalidade, mas é preciso cuidado para que este alcance o efeito esperando e não acabe se tornando prejudicial a saúde", esclareceu a farmacêutica.



Quer receber notícias e novidades do Idtech diretamente no seu e-mail?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

© IDTECH - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS