Oficina de arte humaniza tratamento hospitalar



Sob a orientação do artista plástico voluntário Alexandre Liah, Oficina de Arte da unidade tem como objetivo humanizar o tratamento de saúde e proporcionar o bem-estar aos pacientes

Na última terça-feira, 07 de agosto, os pacientes e acompanhantes do Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG, participaram da Oficina de Arte ministrada pelo professor da Escola de Artes Visuais (EAV), Alexandre Liah. A atividade, realizada no Jardim da Solistência, conta ainda com o auxilio dos terapeutas ocupacionais e psicólogos da unidade e funciona como um estímulo para a interação social, cognição, afetividade e, o mais importante, motiva o paciente à adesão ao seu tratamento de saúde.

Segundo a psicóloga hospitalar do HGG, Naiara Cardoso Souza, que acompanha o projeto há um ano, os principais pacientes escolhidos para participação no projeto são aqueles de internação prolongada, com alterações emocionais. “O que tenho percebido, ao longo desse ano, é que a atividade desenvolvida pelo projeto desempenha uma influência positiva em relação ao aspecto emocional tanto nos pacientes quanto familiares que os acompanha”, destacou.

Tendo em vista que encarar uma doença envolve muito mais que os sintomas físicos, pois fatores psicoemocionais permeiam e influenciam diretamente no enfrentamento e adesão ao tratamento, a oficina funciona como uma atividade terapêutica e se torna um canal de expressão da subjetividade, ampliando as possibilidades de comunicação e afastando o indivíduo da rotina estressante. Benefícios que minimizam os efeitos negativos da hospitalização.

Lázaro Batista da Silva, de 56 anos, estava no hospital devido um problema de arritmia e conta que nunca havia pintando. O paciente é do interior de Goiás, de São Miguel do Araguaia, mas atualmente reside em Goiânia. “Estou bem, amanhã já irei pegar alta. Estou aqui desde o dia 30 de julho e gostei de participar. Nunca havia pintando, mas foi bom, gostei.”

A paciente Tereza Moreira da Silva de Carvalho, de 65 anos, é de Silvânia, também interior do estado e estava no hospital há 8 dias devido uma parada cardíaca. “Graças à Deus, melhorei. Segunda-feira já estava bem e gostei de participar da oficina. Aqui é fresquinho, melhor que ficar no quarto. E eu pintei a letra inicial do nome de cada familiar e vou levar pra eles verem o que fiz aqui”, conta.



Quer receber notícias e novidades do Idtech diretamente no seu e-mail?

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

© IDTECH - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS