Goiânia, 26 de junho de 2017    




Notícias

(07/10/2014) “Eu me sinto cada vez mais realizada com esse trabalho”, diz voluntária da Capelania Hospitalar

Cerca de 70 membros se reuniram na sexta-feira, 03 de outubro, para se inteirar e dar início às atividades espirituais

O serviço de Capelania Hospitalar do Hospital Alberto Rassi – HGG reuniu na sexta-feira, 03 de outubro, seus novos e antigos membros. Ao todo, cerca de 70 voluntários espirituais participaram de atividades de integração, além de palestras sobre abordagens a pacientes, cuidados paliativos e as normas da instituição.

As atividades de descontração marcaram a tarde dos voluntários. “Nós fizemos uma programação bastante focada no trabalho de voluntariado para que eles se envolvessem, independente da crença, e tendo como pensamento que todos são irmãos e estão aqui para levar mensagens de fé para os pacientes internados. Todos que vieram estavam unidos em só propósito de fazer a diferença para quem passa por um momento delicado”, destaca a coordenadora da Comissão de Capelania Hospitalar, Lili Moreira.

Rita Célia dos Santos, que atua na Capelania há quatro anos no seguimento católico, conta que a vontade de exercer o voluntariado espiritual surgiu após ficar internada no HGG, com um princípio de AVC, e receber a visita de alguns outros visitadores. “A pessoa estar internada e alguém vir falar de Deus é muito bom. Eu me sinto cada vez mais realizada com esse trabalho porque sinto que estou contribuindo na obra de Deus, pois estou trazendo a esperança para essas pessoas saberem que este momento no hospital é passageiro”, pontua.

Quem está super empolgada com o trabalho que irá começar em breve é a advogada Aritana de Rezende. Ela que fará parte dos visitadores espíritas acredita estar fazendo sua parte na luta por um mundo melhor. “Tudo muda na minha vida ao desempenhar esse trabalho. Eu acredito que quando a gente se envolve com a dor do outro, tiramos o foco da gente, da individualidade e, consequentemente, deixamos de ser um pouco egoístas e passamos a perceber que há pessoas que sofrem mais do que a gente”, afirma. Segundo ela, se cada pessoa se dispor a desempenhar um trabalho voluntário, muitas coisas estariam melhores. “Muitas das vezes achamos que vamos ajudar, mas acaba que nós que somos ajudados. A gente se dispõe, abre o coração, dá o primeiro passo, mas no fim das contas, nós que recebemos muito mais do que doamos”, completa.

Para Lili Moreira, a gratificação de ver a Capelania Hospitalar se deve ao compromisso de todos os voluntários. “A nossa Comissão é bastante assídua e preza pelo cumprimento dos compromissos firmados. É um trabalho voluntário, mas o visitador tem uma frequência a ser seguida, precisa usar o jaleco de identificação, além de saber como abordar os pacientes e lidar com as normas da unidade. Estamos muito realizados por ter pessoas que entendem que é um trabalho sério e que contribui muito para a recuperação na vida dos nossos pacientes”, finaliza.


Fonte: IDTECH






IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700