Goiânia, 17 de agosto de 2017    




Notícias

(20/01/2015) Enfermeiros e técnicos participam de Simulação de Parada Cardiorrespiratória

O treinamento no Hospital Alberto Rassi aconteceu na última quinta-feira 15 de janeiro e reuniu 30 colaboradores

Qual o procedimento de um enfermeiro ou técnico quando percebe que o paciente está com parada cardiorrespiratória? Na última quinta-feira, 15 de janeiro, a equipe de enfermagem do Hospital Alberto Rassi - HGG participou de uma Simulação de Parada Cardiorrespiratória com orientações de como proceder nesses casos. O gerente de enfermagem do Centro de Tratamento Intensivo (CTI), Álamo Araújo, orientou a equipe. "É um treinamento de situação realística. O objetivo principal é uniformizar as ações da equipe multiprofissional em situações relacionadas com parada cardíaca. É uma situação que a equipe tenta evitar com ações preventivas, mas quando ocorre, é necessário estarem preparados", disse.

A gerente de enfermagem da Clínica Médica Wagna Barbosa foi voluntária, simulando ser a vítima que necessitava de atendimento. Ela ficou deitada na maca durante meia hora e os convidados a darem os primeiros atendimentos tentavam reanimá-la realizando massagem cardíaca, verificando pulso, promovendo ventilações entre outros procedimentos. A equipe que participou do treinamento foi bastante interativa e também aprendeu o que pode ou não fazer nesses casos.

A técnica de enfermagem da Clínica Médica Danielle Lúcia da Silva foi convidada a participar da simulação e dar os primeiros socorros na paciente. Durante todo o procedimento, ela prestou atenção em cada orientação e foi a última a sair da sala, fez questão de sanar todas as dúvidas. "O treinamento foi muito esclarecedor. Aprendi que os técnicos de enfermagem podem manusear alguns equipamentos para esse primeiro atendimento de parada cardíaca. Pode acontecer do paciente ter a parada e o médico não estar no local por algum motivo e nós estarmos preparados é fundamental. Gostei bastante", disse. Parceira de Danielle na simulação, a técnica de enfermagem da Clínica Médica Lorrana Mayara também aprovou a iniciativa. "Gostei bastante. O treinamento foi bom para reciclar e também aprender", completou.

O enfermeiro Álamo Araújo explica que para as situações de urgência existem dois protocolos institucionalizados. "O primeiro, o código amarelo é um protocolo de acionamento da equipe, principalmente das equipes médicas, com ações preventivas à parada cardíaca. Quando o paciente começa a apresentar sinais de piora no quadro clínico, é acionado esse código amarelo para que as próximas ações sejam prevenindo a parada. A segunda é o código azul que é um protocolo de direcionamento para atender as vítimas que já estão em parada cardíaca. Esse protocolo envolve médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e toda a equipe multidisciplinar", completa.

Ao todo, 30 colaboradores participaram do treinamento, que devido a grande participação e engajamento, será estendido. Álamo avaliou o treinamento como positivo. "As turmas foram bastante participativas. Aqui no HGG temos todos os recursos para promover um atendimento de qualidade desde equipamento, medicação, todos os insumos necessários e é natural que tenha a necessidade contínua desses ajustes. Durante a simulação, conseguimos sanar dúvidas, direcionar a equipe e despertar o interesse em estudar mais e aprofundar o assunto. E claro, visando sempre o aperfeiçoamento do tratamento ao paciente", finalizou.


Fonte: IDTECH





Google








IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700