Goiânia, 29 de junho de 2017    




Notícias

(05/02/2015) Oficina de Arte distrai pacientes internados

Atividade de humanização em parceria com Escola de Artes Visuais reduz a ansiedades dos pacientes, na última terça-feira, 3 de fevereiro

Dando continuidade ao projeto “Arte no HGG”, o hospital promoveu em parceria com a Escola de Artes Visuais (EAV) na última terça-feira, 3 de fevereiro, mais uma Oficina de Arte. Aproximadamente 15 pacientes participaram da atividade que utiliza a arte como terapia alternativa e contribui para o bem-estar do público internado.

O pequeno Thylo Antônio Rodrigues dos Santos, de 7 anos, foi determinado e sabia bem o que queria pintar: o Divino Pai Eterno. A mãe dele, Maria do Socorro Rodrigues disse que o garoto, apesar da pouca idade, é muito religioso está internado para a retirada de uma sonda. A família é do Piauí e atualmente mora em Hidrolândia, região metropolitana de Goiânia. Socorro conta que a experiência que ela tem no HGG é ótima. “Nós ficamos em um hospital infantil e lá as enfermeiras nem olham pra você. Como ele iria ser transferido eu pedi para que a gente viesse pra cá”, disse.

Danielle dos Santos Vieira está internada para colocar prótese no seio. Há cinco anos ela fez a cirurgia de redução de estômago e agora sonha com a cirurgia. “Eu internei pela manhã e estava muito nervosa. A pintura faz com que o tempo e a ansiedade passem mais rápido”, afirmou.

Maria Bonifácio Ferreira está acompanhando o marido que trata um câncer na bexiga e está internado no hospital desde o dia 8 de janeiro. Há quase um mês na unidade, os olhos marejam ao falam do tratamento que recebe da equipe multidisciplinar. “Os meus filhos me ligam oferecendo para ficar aqui com o pai deles, mas eu digo que aqui é como se a gente estivesse em casa, o tratamento é de primeira”. Ela coloriu um desenho de uma paisagem e assinou o nome dela e do marido.

Última paciente a deixar a Oficina de Arte, Liliane Ferreira da Silva Rodrigues contou uma história linda de vida. Seu irmão faleceu por conta da Doença de Wilson, e ela acabou descobrindo que também sofria do mesmo mal. Mesmo debilitada e muito magra, conheceu seu atual marido na igreja e deste amor, ela realizou o sonho de ser mãe. “Esse quadro aqui eu vou colocar no nosso quarto. Meu esposo enfrentou muitas barreiras para ficar comigo. Todo mundo falava que eu estava predestinada a morrer e que eu não duraria muito. Mas ele preferiu acreditar no milagre. Hoje temos uma filha linda de 8 meses e sou muito feliz”, finalizou.


Fonte: IDTECH






IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700