Goiânia, 19 de agosto de 2017    




Notícias

(15/04/2016) Pacientes participam de atividade alusiva ao Dia Mundial do Parkinson

Evento aconteceu na tarde desta quarta-feira, 13 de abril, no pátio do Hospital Alberto Rassi – HGG. Equipes médica e multiprofissional tiraram as dúvidas dos pacientes e familiares

O Dia Mundial do Parkinson foi estabelecido pela Organização Mundial de Saúde, e tem como objetivo esclarecer a doença e as possibilidades de tratamento proporcionando qualidade de vida para o paciente e sua família. Em alusão a data, o Hospital Alberto Rassi – HGG promoveu na tarde desta quarta-feira, 13 de abril, uma série de atividades e palestras para os pacientes que fazem tratamento na unidade e para os seus familiares.

Neurologista responsável por atender pacientes parkinsonianos do HGG, William Luciano de Carvalho, explicou para os participantes a importância da adesão ao tratamento. “O remédio é apenas uma parte do tratamento. Não existe nenhum remédio que previne que as células morram precocemente. Por isso é essencial a prática regular de atividade física, que é a única forma comprovada de garantir o funcionamento dos neurônios. No consultório a gente percebe a diferença dos pacientes que são ativos, daqueles que são sedentários”.

Além disso, a equipe multidisciplinar explicou a importância de se tratar episódios depressivos, que são comuns quando se descobre a doença. A psicóloga Fernanda Telles alertou que o apoio da família neste momento é essencial. Algumas características do Parkinson são tremores, instabilidade postural, rigidez de articulações e lentidão nos movimentos. O fisioterapeuta Maurício Antônio de Farias e a terapeuta ocupacional Patrícia de Oliveira passaram alguns exercícios para os pacientes que podem auxiliar no equilíbrio do corpo e na coordenação motora.

Já a fonoaudiologia deu dicas para melhorar a comunicação oral e a ingestão do paciente. “A maior queixa desses pacientes é o engasgo, porque eles são acometidos por rigidez, tremor de face, e tem dificuldade na mastigação e na condução dos alimentos para o estômago. Em alguns casos é preciso apenas mudar a postura durante a alimentação. Em outros é preciso fazer alteração na consistência da comida”, explicou a fonoaudióloga Mariela Vidal.

A artista plástica Helena Vasconcelos também participou do evento coordenando uma oficina de arte para os participantes, utilizando a técnica de pintura em tecidos. O aposentado Sebastião Marques de Medeiros faz tratamento contra o Parkinson há 11 anos. “Eu sempre tomei a medicação corretamente e agora estou praticando exercícios físicos. Faço fisioterapia e caminhada”, explicou. Ele participou de todas as palestras e finalizou na oficina de pintura. “Eu achei ótimo, a gente esclareceu dúvidas. É a primeira vez que eu pintei um pano de prato e foi uma experiência diferente”.

A aposentada Vilma Francisca de Jesus descobriu a doença há seis anos. Ela explica que o primeiro sintoma foi um tremor no dedo polegar. Após ir ao médico e fazer uma investigação mais profunda, ela foi diagnosticada com a doença. Desde então se consulta com os médicos da unidade hospitalar. “Apesar de fazer tratamento aqui no HGG, é a primeira vez que participo desse evento e gostei bastante. É uma forma de obter informações fora do consultório”.


Fonte: IDTECH





Google








IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700