Goiânia, 18 de dezembro de 2017    




Notícias

(12/08/2010) Teleconsulta de Aparecida de Goiânia supera expectativas em sua primeira semana de funcionamento

Inaugurada no dia 5 de agosto, a Central de Atendimento ao Cidadão – Teleconsulta de Aparecida de Goiânia agendou 5.569 consultas, superando a previsão para uma semana. Serviço também contribuiu para externar problemas da rede, que estão sendo resolvidos.

Em uma semana de funcionamento, a Central de Atendimento ao Cidadão – Teleconsulta de Aparecida de Goiânia apresentou um balanço favorável, segundo a avaliação da Secretaria Municipal de Saúde e do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech), organização social que projetou, estruturou e gerencia o serviço por meio de contrato de gestão com o município. O serviço está cumprindo tanto seu papel básico, de oferecer maior conforto e tranquilidade ao usuário no agendamento de suas consultas, como em seu papel complementar, de ser uma ferramenta de gestão para o município atendido.

Inaugurado no dia 5 de agosto pelo prefeito Maguito Viela, o serviço fez o agendamento de 5.569 consultas básicas não-emergenciais de clínica médica, ginecologia e obstetrícia e pediatria (ver distribuição por unidade nos gráficos anexos) para usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de oito unidades de saúde do município (Cais Nova Era e Garavelo; Mini-Cais Colina Azul; Pronto-Socorro Municipal; Maternidade Marlene Teixeira e Centros de Saúde da Vila Brasília, Papillon Park e Madre Germana). As consultas foram agendadas sem necessidade que os usuários permanecessem nas filas. Essas filas sempre representaram um grave problema no município e motivo de queixas por parte da população.

O número de consultas agendadas superou a previsão, que era de 5,2 mil consulta em uma semana, o que, para o secretário municipal de Saúde, Rafael Nakamura, é considerado aceitável, em função da demanda reprimida que havia. Em sua primeira semana de funcionamento o Teleconsulta de Aparecida de Goiânia registrou sobrecarga de ligações no período matutino e com baixo índice de procura aos sábados e domingos, o que pode ter sido ocasionado por desconhecimento do serviço por parte da população. O número de agendamentos que ultrapassou mil/dia nos dias úteis, chegando a 1,5 mil no primeiro dia, ficou em 244 no sábado e 205 no domingo. Um recado importante a ser reforçado é que a Central funciona todos os dias, das 7 às 19 horas, inclusive nos finais de semana e feriados.

É importante ressaltar que o sistema de teleagendamento já provocou redução do movimento nas unidades, considerando que, agora, os usuários que precisam se consultar necessitam comparecer aos ambulatórios apenas no dia agendado para a consulta. Esse efeito proporciona maior tranquilidade e melhores condições de trabalho para as equipes e só não foi ainda mais visível porque, apesar de toda a divulgação feita por meio de cartilhas dos usuários, imãs de geladeira, cartazes e outras mídias, algumas pessoas ainda insistem em procurar diretamente as unidades de saúde. Elas estão sendo orientadas a ligar para o Teleconsulta pelas equipes responsáveis pelo acolhimento e humanização do atendimento.

Como ferramenta de gestão, o Teleconsulta tem proporcionado uma visão clara dos problemas vivenciados pelas unidades de saúde que têm as agendas sob seu gerenciamento. E esses problemas são muitos, conforme admite o secretário municipal de Saúde, Rafael Nakamura. “Apesar de não serem desconhecidos, eram problemas que não podiam ser comprovados ou mesmo mensurados. Hoje, o Teleconsulta nos oferece uma radiografia, o que nos permite tomar as medidas justas e cabíveis que venham promover a adequação dos serviços a um padrão de excelência de qualidade no atendimento à população de Aparecida de Goiânia.”

Entre as falhas detectadas graças à informatização da agenda a principal é a baixa produtividade das unidades de saúde. As razões estão relacionadas basicamente ao trabalho médico. Nesta primeira semana foram detectados profissionais lotados nas unidades, mas não relacionados na agenda; sobreposição de horários de trabalho em locais diferentes e manipulação pelas unidades de agendas repassadas ao Teleconsulta (o que gerou duplicidade de agendamentos). Os usuários com consultas marcadas pelo Teleconsulta e que teoricamente seriam prejudicados por essas falhas foram atendidos via encaixe ou remanejados (nas situações em que havia tempo hábil para isso, evitando seu comparecimento à unidade de saúde). Também foram detectados problemas relativos às unidades de saúde, como a utilização de sistemas precários de arquivamento e organização de prontuários.

Do ponto de vista técnico, a avaliação da equipe da Assessoria de Tecnologia da Informação do Idtech é a de que o sistema operou normalmente, sem intercorrências importantes. Esse resultado se deve ao trabalho prévio realizado pela equipe e sua permanência em tempo integral no contact center, para o monitoramento operacional. Uma dificuldade importante alheia ao sistema, mas que interferiu em seu pleno funcionamento foi o fato de o Centro de Saúde da Vila Brasília e a Maternidade Marlene Teixeira terem ficado do dia 4 ao dia 9 de agosto sem acesso à internet. Nesse período, os relatórios de agendamento foram levados à unidade por um mensageiro. O problema foi sanado pela prefeitura, a responsável por resolvê-lo, no dia 10.


Principais pontos da situação encontrada

1. Unidades de Saúde que se recusaram a informar a existência de alguns profissionais, para geração de vagas no Teleconsulta

2. Sobreposição de horários idênticos por parte de alguns profissionais em locais de trabalho diferentes

3. Profissionais liberados para participação em congressos e especializações sem a devida informação ao Teleconsulta

4. Profissionais que não comparecem, sem comunicação prévia e realizam "acordos" para compensação de horas não-trabalhadas

5. Não cumprimento de carga horária e excessivo número de faltas sem justificativas por parte de alguns profissionais

6. Falta de colaboração de alguns gestores quanto a informação real de vagas para agendamento no Teleconsulta - Apoderamento de informação x medo de perda de poder

7. Conivência dos gestores das Unidades no que se refere ao cumprimento de carga horária, número de consultas a serem realizadas, triagem para rede privada

8. Resistência por parte de alguns gestores quanto ao repasse de informações ao Teleconsulta / Secretaria Municipal de Saúde a respeito de faltas, atrasos e etc, por parte de alguns profissionais

9. Existência de alguns profissionais de uma mesma unidade que utilizam transporte solidário, quando um falta, todos faltam

10. Organização precária do sistema de prontuário (ainda manual) dos usuários, ocasionando demora no atendimento das recepções


Fonte: IDTECH






IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700