Goiânia, 21 de outubro de 2017    




Notícias

(19/10/2012) Hospital Alberto Rassi – HGG transfere pacientes para começar reforma do CTI

Os doentes serão remanejados para instalações provisórias especialmente preparadas no mesmo andar das instalações originais, que passarão a abrigar 29 leitos, 19 a mais do que os 10 atuais. Com a ampliação a capacidade do CTI será adequada ao porte do Hospital.

O Hospital Alberto Rassi – HGG dá neste sábado, dia 20 de outubro, o primeiro passo concreto para a solução de um dos seus problemas históricos: a adequação do número de leitos de tratamento intensivo ao porte do hospital. Às 9 horas, será concluída a transferência de pacientes internados no CTI para instalações especialmente preparadas para recebê-los, também no 2º andar do prédio. O serviço permanecerá no local até a reforma e ampliação das instalações atuais. A previsão é de que a obra dure de quatro a cinco meses e ao final, o Hospital passará a contar com 29 Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), 19 a mais do que as dez já existentes.

Desde que foi reinaugurado, em 1998, após uma reforma que durou oito anos, o hospital conta com metade das UTIs recomendadas para os 204 leitos da Unidade Hospitalar. Durante a reforma, não haverá prejuízos nem na qualidade do atendimento e nem para a capacidade de internação de pacientes graves no HGG. As instalações temporárias comportam o mesmo número de UTIs das originais. “Os dez leitos, depois da reforma, serão aproveitados como leitos de tratamento hemodinâmico, que são procedimentos invasivos como cateterismo cardíaco e cerebral, angioplastias e implante de stents cardíacos e cerebrais”, comenta Alexandre Amaral, diretor técnico do Hospital e coordenador do CTI.
A reforma e ampliação do CTI serão iniciadas tão logo seja liberado o espaço físico. O projeto faz parte da proposta técnica apresentada pelo Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) no chamamento público que culminou na escolha da Organização Social para a gestão do Hospital. Mas o Instituto executará mais do que o proposto, que era duplicar os leitos atuais. Com 29 leitos, o Hospital Alberto Rassi terá condições não só de ampliar o número de tratamentos clínicos e cirurgias, cujas filas são enormes, como poderá dar maior suporte à rede pública, que hoje sofre com a carência destes leitos. No caso das cirurgias bariátricas, por exemplo, o número de pacientes operados poderá triplicar.

De acordo com o coordenador executivo do Idtech, José Cláudio Romero, o projeto arquitetônico atende os princípios da eficiência e da economicidade. “O Instituto dá mais um importante passo para o cumprimento de sua proposta técnica, de forma mais complexa, com todo o cuidado para não prejudicar a assistência ao paciente de terapia intensiva”, observa. O diretor-geral do HGG, André Luiz Braga explica que o novo CTI não perderá em nada para os de hospitais privados. “Entre as mudanças estão a substituição das janelas de metal, que estão enferrujadas, por vidros temperados, a instalação de boxes para manter a privacidade do paciente e a destinação de um aparelho de TV por leito, para humanizar ainda mais a assistência.”


Fonte: IDTECH / HGG






IDTECH - Todos os direitos reservados

Rua 01, Qd. B-1, Lt. 03/05 nº 60 - Térreo, Setor Oeste, Cep. 74115-040, Goiânia/GO
Telefone: 62 3209-9700