01/11/2018 - Equipes do Case de Anápolis participam de treinamento de combate a incêndio e capacitação para primeiros socorros



Engenheiro de segurança do trabalho e enfermeiro ministraram aulas teóricas e práticas para três equipes de colaboradores. Curso teve participação e apoio do Corpo de Bombeiros Militar

Na terça-feira, 30 de outubro, mais de 50 colaboradores do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Anápolis se reuniram no auditório da unidade para participar do treinamento de combate a incêndio e capacitação de primeiros socorros. O curso integrou aulas práticas e teóricas e foi ministrado aos colaboradores dos três turnos: matutino, vespertino e noturno.

A capacitação foi uma iniciativa do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech), que administra o Case de Anápolis, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar. A atividade atende à legislação específica da norma técnica do Corpo de Bombeiros, NT 43, para instituições com restrição de liberdade.

Combate ao incêndio

Os participantes assistiram às orientações teóricas e práticas sobre as normas de combate ao incêndio com o engenheiro de segurança do trabalho, Wilmar Felipe Manzi Neto. O palestrante ressaltou que o treinamento é um suporte fundamental para que os colaboradores saibam agir em situações de periculosidade, “sobretudo se tratando de unidade socioeducativa, em que o risco de incêndio é maior”, completou.

Na aula teórica, os colaboradores conheceram sobre a propagação do fogo, as classes do incêndio, tipos chamas, equipamentos de combate ao fogo e métodos de extinção. Já na aula prática, os participantes aprenderam as técnicas de enrolar e projetar a mangueira de incêndio, reconhecer o encaixe no hidrômetro e a posição correta de segurar a pressão da mangueira em funcionamento. Ainda na aula prática, os servidores puderam apagar as chamas improvisadas em um tambor com combustível, utilizando os diferentes tipos de extintores: dióxido de carbono (CO2), água pressurizada e pó químico com bicarbonato de sódio.

A servidora Talita Pereira de Sousa participou de todas as aulas práticas. Ela contou que mesmo atuando na unidade há quatro anos, ainda não tinha recebido um treinamento de brigada e primeiros socorros. “Foi a primeira vez que participamos e foi muito bom. Acho importante porque aqui o risco é real e receber essas orientações básicas auxilia na hora de agir”, destacou.

Para finalizar a primeira etapa, a equipe do Corpo de Bombeiros de Anápolis apresentou a estrutura do caminhão da corporação e explicou como os equipamentos funcionam. De acordo com a sargento Rayssa, o curso de brigada é importante para os primeiros atendimentos, mas é fundamental acionar os profissionais do Corpo de Bombeiros para realizar os atendimentos de risco. “Saber como agir é importantíssimo, mas é preciso ter cautela. Um civil comum mesmo tendo um curso básico de brigada, não pode se arriscar, para isso, existem os profissionais qualificados”, frisou.

Primeiros Socorros

Depois de um breve intervalo, os colaboradores participaram da capacitação de primeiros socorros com o enfermeiro Mathias Cardoso, que abordou as diversas formas de salvamento imediato em caso de hemorragias, engasgos, perda de consciência, convulsões e fraturas. Na prática, os colaboradores puderam compreender como funciona a reanimação cardiopulmonar (RCP) com a utilização de manequins de RCP.

Para o assistente operacional social, Felipe Louzada, a parte que mais chamou atenção foi a de primeiros socorros, principalmente porque foram orientações aplicáveis no dia a dia. “Achei bem produtivo. Já passei por situações que precisei usar essas orientações e que eu não tinha noção. E trabalhando aqui no Case, esse tipo de orientação é essencial, já que nós lidamos com a vida de outras pessoas e temos a responsabilidade de cuidar delas”, enfatizou.

No próximo mês, como parte da capacitação, os colaboradores vão participar de um simulado de incêndio na unidade e está sendo elaborado ainda o Plano de Evacuação da unidade, seguindo a mesma normativa.




© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS