27/05/2019 - Saúde na Praça esclarece população sobre tireoide



Evento extra é em razão da Semana Internacional sobre as doenças que envolvem a glândula

Ao ver uma reportagem na televisão, a modelista de roupa e artesã Maria das Graças foi na manhã desta quarta-feira à praça Abrão Rassi, em frente ao Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG, participar do projeto Saúde na Praça, cuja edição extra tratou de problemas ligados à Tireoide. A ida da artesã ao projeto idealizado pelo Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) fez com que ela ficasse mais tranquila. “As minhas dúvidas foram tiradas, graças a Deus está tudo bem. Nasceram os nódulos, mas tem que ver. O sangue deu tudo certo. Agora vou procurar fazer uma biópsia” diz.
A edição extra do Saúde na Praça, que atendeu 135 pessoas na manhã do dia último dia 22, se deve à Semana Internacional da Tireoide, que neste ano tem como foco o período de gestação. A endocrinologista Raquel Andrade Siqueira, responsável pela organização da semana de atenção à tireoide em Goiás, lembra que, desde que com acompanhamento médico e tratamento, é possível se ter uma gestação sem problemas, mesmo a mãe tendo hipotiroidismo ou hipertiroidismo, as duas doenças mais comuns envolvendo a glândula, que é responsável pela regulação do metabolismo do corpo. “Mesmo que diagnosticada, se tratada, (a gravidez) evolui muito bem. Você consegue manter a saúde da gestação e do feto. Por isso, é tão importante o alerta da população.”
A médica salienta ainda que o hipotiroidismo é a principal causa de retardo mental evitável, daí a importância do tratamento. “Isso é de uma importância crucial. Se você tem o risco maior, mulheres que querem engravidar ou gestantes, vamos dosar o TSH (hormônio estimulador de tireoide) e, com isso, a gente consegue evitar muitas dessas complicações.”
O acompanhamento médico, completa Raquel, se torna ainda mais importante devido à necessidade de se chegar a uma dosagem certa de medicamento, para evitar problemas ao bebê. Ela cita ainda outro item importante, o Teste do Pezinho, para verificar a quantidade de TSH da criança. Para a mãe, no caso de dificuldade em conseguir o atendimento do endocrinologista, a orientação é voltar à quantidade de medicação anterior à gravidez. “Para quem tem hipotiroidismo e aumentou a dose do hormônio, tenham seus hormônios dosados novamente em consulta médica de dois a três meses. Se não for possível, voltem à dose que vocês usavam antes da gestação”, finaliza a médica.




© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS