03/03/2020 - Samba anima última edição de fevereiro do Sarau do HGG



Lucas Borges encerrou programação de Carnaval do projeto de humanização do hospital

O artista da edição da última quinta-feira, 27 de fevereiro, do Sarau do HGG foi o cantor Lucas Borges, mas um paciente em especial se tornou atração na apresentação. Morador de Silvânia, Acrísio Oliveira Custódio, de 70 anos, literalmente caiu no samba com as músicas interpretadas por Lucas. Segundo ele, o show ajudou a aliviar a dor nas costas que estava sentindo devido ao tempo que ficou sentado e deitado no hospital, além de acalmá-lo para a cirurgia pela qual passaria no dia seguinte. “Apresentação maravilhosa demais da conta. Eu estava com as costas doendo de ficar sentado e deitado. Eu vim, fiz um exercício. Melhor do que isso não precisa. Dancei bastante. Bom demais. Vou mais tranquilo para a cirurgia. É bom demais. Alegra, a gente esquece dos problemas”, diz o paciente que passaria por uma cirurgia de hérnia.

Já Andreia Cristina da Silva Rodrigues, que também faria cirurgia no dia seguinte, se surpreendeu de participar de mais um Sarau, dois anos após passar por uma cirurgia, ocasião em que conheceu o projeto de humanização do hospital. “Há dois anos eu precisei fazer essa mesma cirurgia e tive oportunidade de participar de outro sarau e me surpreendi de saber que ainda tem esse projeto. Adorei. Acho bacana por parte do hospital.” Além do momento de descontração, ela diz ter descoberto novos artistas que não conhecia e passou a seguir nas redes sociais. “Eu gostei mais dessa (apresentação) porque gosto de pagode. Adicionei eles no Instagram. Agora é ver onde eles vão tocar para ir”, diz a paciente.

Lucas que também participava pela segunda vez do Sarau, além de conquistar novos fãs, diz ter se sentido realizado com a apresentação. “Voltar aqui a convite de vocês é uma maravilha. O pessoal às vezes está numa situação difícil, mas a música é para alegrar. É para isso e eu agradeço imensamente de poder fazer parte. Hoje eu vi alegria mesmo, porque o samba é uma coisa que contagia o pessoal e eu vejo uma alegria no rosto deles. Isso me contagia mais ainda. Aí eu dobro a energia.”

Estreante no Sarau, o músico Leandro Goiano acompanhou Lucas na apresentação e se lembrou de quando era mais novo. “Tive algumas experiência quando mais novo, de frequentar a ala infantil de um hospital que tratava câncer, fazendo essa ação de alegria, de brincar. Era mais novo, jogava vídeo game e brincava com massinha de modelar, para levar um pouco de alegria. Hoje é a primeira vez com a música, que está sendo significante para mim, que estou numa fase de transformação, de assumir um pouco mais essa questão da carreira musical. É um pé direito para mim fazer isso junto com uma coisa tão bonita como tocar no hospital para as pessoas que estão precisando de um pouco de luz, de energia boa. Acho que a função da música é essa . Acertou em cheio. É muito gratificante porque, de certa forma, a gente vem para curar e acaba sendo curado.”




© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS