22/12/2020 - Nota informativa estabelece medidas de prevenção em comemorações de fim de ano



Documento foi elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES), pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e pelo Centro de Operações de Emergência (COE)

A proximidade das festas de fim de ano e o crescimento de casos de Covid-19 fizeram com que a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES), a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e o Centro de Operações de Emergência (COE) elaborassem a Nota Informativa Conjunta sobre Medidas de Prevenção e Controle do Novo Corona Vírus Durante as Comemorações de Natal. No documento, com data de 7 de dezembro, há recomendações sobre como se portar em confraternização e os tipos de reuniões que podem ser realizadas neste fim de ano atípico.
“Quando as festas acontecem nas residências como é o caso das festas de final de ano, há uma maior sensação de segurança, o que pode acarretar em uma diminuição da adesão às medidas de cuidado (biossegurança)”, diz um trecho da nota, que cita ainda situações de comemorações em espaços comuns de condomínios e restaurantes.
Como medidas gerais de biossegurança, a nota recomenda a realização de festas preferencialmente com pessoas do núcleo de convivência diária. No caso de confraternização fora do núcleo de convivência, a orientação é usar máscara, com exceção para quando as pessoas forem comer ou beber, e higienização das mãos. Os encontros devem ter no máximo de 10 a 15 pessoas, levando em consideração o espaço e as características do ambiente, dando preferência para espaços abertos, sempre tendo atenção ao distanciamento de dois metros entre os convidados e por um período curto de tempo. O contato físico também deve ser evitado, mesmo durante a troca de presentes e nos cumprimentos, bastante comuns nesta época do ano.
Sobre espaços de festa e áreas comuns em condomínios, a nota cita o protocolo 12 da SES, que determina a ocupação de 50% da capacidade de acomodação, não podendo ultrapassar 150 pessoas em um evento. Já em relação aos restaurantes, a orientação é o que está no Protocolo 4, com ênfase ao requisitos de boas práticas de manipulação de alimentos.
A necessidade de higienização dos espaços utilizados ganhou um capítulo próprio, citando a desinfecção de objetos como maçanetas, corrimão e interruptores. O mesmo deve ocorrer com instalações sanitárias, se atentando ao abastecimento de sabonetes, papel toalha e lixeiras.




© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS