01/03/2021 - Colaboradores do HGG recebem segunda dose da vacina Coronavac



Imunização foi realizada na sexta-feira, 26, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia

Na última sexta-feira, 26 de fevereiro, 1.010 colaboradores do Hospital Estadual Alberto Rassi receberam a segunda dose da vacina contra o novo coronavírus – Coronavac. Foram vacinados todos os grupos de profissionais que atuam na unidade em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS). Os 52 colaboradores que ainda não haviam recebido a primeira dose do imunizante também tiveram a oportunidade de serem vacinados, e, posteriormente, serão imunizados pela SMS.

Para enfermeira Cinthia Morais de Oliveira, que é supervisora no Centro de Terapia Intensiva do HGG e trabalha na unidade há oito anos, receber a segunda dose da vacina contra o coronavírus foi uma alegria muito grande. "Esse é um momento histórico que com certeza vai ficar para eternidade. Ser imunizado neste momento, no nosso ambiente de trabalho, junto com tantos colegas, é realmente de Deus". Cinthia alerta às pessoas, principalmente os idosos que são dos grupos prioritários e ainda tem algum receio em receber o imunizante. "Procurem uma unidade de saúde do seu município, tenham consciência de que esse ato salva a sua vida e a de quem convive com você, porque o quanto antes todos estivermos vacinados, conseguiremos sair dessa pandemia. Confiem na ciência!", ressaltou.

Sandra Maria Viana é deficiente visual e trabalha há 20 no HGG como telefonista, nesta sexta-feira ela foi uma das colaboradoras que recebeu a segunda dose da vacina com um sorriso de orelha a orelha. "Para mim é uma satisfação porque sei quantas pessoas gostariam de estar imunizadas neste momento, mas infelizmente ainda não há doses suficientes para toda a população, por isso, eu estou muito feliz, principalmente por saber que vou continuar cumprindo o meu papel de forma segura, podendo atender melhor e ajudar ainda mais a população", disse.

A diretora de enfermagem do HGG, Natálie Alves, enfatiza que, apesar do hospital não ter sido designado para o tratamento da covid-19, a unidade foi escolhida pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) para ser retaguarda da urgência, o que torna a imunização extremamente necessária. "O HGG recebe pacientes dos Cais, UPAs, Ciams, e no momento que é feita a admissão, mesmo que eles venham regulados para o tratamento, não é possível descartar a contaminação por covid ou não".

Natálie também reforça que o princípio básico da vacinação é reduzir a contaminação pelo vírus e a gravidade dos pacientes. "Consequentemente, isso reduz a sobrecarga da rede de saúde, mantendo os profissionais na linha de frente, reduzindo os afastamentos por suspeita de covid-19", finaliza a diretora.



© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS