29/03/2021 - Vitória Freittas encanta pacientes com show virtual no Sarau do HGG



Cantora trindadense soltou a voz e trouxe para a unidade músicas sertanejas e gospel que animaram a tarde da última quinta-feira, 25

Não precisou da presença física da cantora Vitória Freittas no Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG na última quinta-feira, 25 de março, para que os pacientes se movimentassem quando a música começou a tocar pela unidade. Alguns se levantaram e foram até corredores descobrir de onde vinha aquela voz forte e cheia de alegria da jovem cantora trindadense. Outros, de seus leitos, levantaram os braços e já se imaginaram no show ao vivo de Vitória. Uma delas foi a paciente Angélica Sanchez, 65 anos. Mexicana, naturalizada no Brasil, Angélica conta que, há 40 anos, veio para passear e gostou tanto que nunca mais quis voltar para o seu país. Para ela, que já está internada há 35 dias, os saraus têm sido uma distração maravilhosa. "A música nos ajuda a passar o tempo, nos transporta para lembranças boas, e aqui também temos esses quadros lindos nas paredes que trazem alegria para o hospital, ajudam a quebrar essa rotina que não é fácil para quem está doente e para quem está trabalhando", afirma.

No corredor da Clínica Médica, na ala 1, a paciente Solange de Oliveira, de 52 anos e moradora de Turvânia, admirava a apresentação de Vitória Freittas. Ela conta que se sente muito sozinha, porque a pandemia exigiu que fosse necessária a proibição de acompanhantes e visitantes, então o sarau foi uma grata surpresa. "É o segundo show que eu acompanho. Essa menina tem uma voz maravilhosa e é muito simpática, vai fazer sucesso". Solange conta que à noite, quando o ritmo nos corredores diminui, ela aproveita para passear e admirar as obras. "Dá até para conhecer a cidade" em referência ao quadro do artista Argus Ridan, que retrata o Monumento do Viaduto Latif Sebba, na Avenida 85.

Vitória falou da alegria de poder participar de um projeto de humanização no HGG em um período tão difícil, em que as pessoas precisam mais do que nunca serem acolhidas. "Me senti muito feliz e honrada ao receber este convite e poder ter o privilégio de levar aos pacientes do HGG um pouquinho de alegria e esperança através da música. Espero ter a oportunidade de participar mais vezes, inclusive, presencialmente quando a pandemia passar", disse.

Sobre a cantora
Vitória Freittas aprendeu a tocar violão aos 8 anos de idade, mas sua carreira profissional só começou aos 16 anos, quando a jovem gravou sua primeira música autoral "Menos que um real", que foi lançada no canal oficial do YouTube, e seu primeiro CD "Tem amor Ingrato". "Comecei a cantar em bares aos 13 anos, fazendo participações com outros músicos e também cantava em festas de família e na escola", lembra. A partir daí, Vitória também passou a fazer shows solos e se apresentou com grandes nomes da música sertaneja como Rick e Renner, Gilberto e Gilmar e Naiara Azevedo nos palcos. Devido à pandemia, Vitória teve que interromper a agenda de shows, e segue compondo e gravando músicas para os canais digitais.



© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS