08/10/2021 - Mulher sofre AVC durante consulta no HGG e é salva por residentes



Após atendimento médico, paciente está em recuperação na UTI do hospital

Na última terça-feira, 5 de outubro, Creusa Vaz Da Silva, 63 anos, começou a manifestar sintomas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) - paralisia da face e membros do lado esquerdo do corpo - durante uma consulta com um gastroenterologista no Hospital Estadual Alberto Rassi - HGG. Imediatamente a equipe do serviço de neurologia da unidade foi acionada e iniciou a avaliação de uma possibilidade de trombólise, que é o tratamento feito na fase aguda do AVC isquêmico para reversão do quadro.

Caroline Milhomem, médica e residente de neurologia do HGG que atendeu Creusa, conta que a paciente foi encaminhada diretamente para a sala de tomografia, onde se iniciou a avaliação para classificá-la na escala do AVC. "Foi constatado que não havia nenhum sangramento, então nós fizemos o ataque da trombólise da paciente, que foi encaminhada para a UTI para continuação do tratamento". No dia seguinte, a paciente já apresentou sinais de melhoras.

Milhomem explica que esse tipo de tratamento só pode ser feito em uma janela de até 4 horas e meia após o aparecimento de sintomas. "Nós conseguimos fazer isso tudo em 40 minutos, nestes casos, o quanto antes é instituída a trombólise, melhor a recuperação das funções neurológicas do paciente".

O neurologista e preceptor do serviço do HGG, Marco Tulio Pedatella, explica que caso a paciente não tivesse recebido um atendimento tão rápido, provavelmente ela ficaria com sequelas muito mais graves. "O sucesso é o tempo mesmo, quanto mais rápido nós conseguirmos atender pacientes com AVC agudo, melhor, tanto que o tema da campanha deste ano contra o AVC é justamente esse: Tempo Precioso."

O médico destacou o trabalho das residentes que atuaram no atendimento. "Este não é um atendimento comum de ser realizado no HGG, então foi muito bom ver a dinâmica delas, a vontade de ajudar, de resolver o problema, e nos fizemos tudo isso junto. A gente fica feliz de ver que o que nós estamos ensinando, eles estão aprendendo e que vão levar isso para frente". Também participaram do atendimento as médicas residentes Glenda Barros e Renata Garcia e a médica da intercorrência Marcela Damasceno.

"Renasci"
Já se recuperando no leito da UTI, Creusa diz que renasceu. "Eu estava na minha consulta quando comecei a me sentir mal, nunca imaginei que seria um AVC. Graças a Deus eu estava aqui dentro do hospital e fui socorrida por esses médicos que são anjos aqui na Terra". A paciente falou do desejo de poder voltar para casa e reencontrar seus três filhos. "Aqui eu sempre sou muito bem atendida, mas nada como a casa da gente, com as coisas da gente."


Teste SAMU
Uma das formas de identificar um AVC é fazer o teste SAMU:
Sorriso: peça para a pessoa sorrir. Veja se um lado do rosto não mexe
Abraço: veja se a pessoa consegue elevar os dois braços como se fosse abraçar ou se um membro não se move
Música: veja se a pessoa repete o pedacinho de uma música ou se enrola as palavras
Urgente: chame uma ambulância ou vá a um pronto atendimento especializado



© IDTECH, Hospital Estadual Alberto Rassi/HGG, Hemocentro de Goiás - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS